Nome: Marco Almeida
Idade: 30 anos
Local de trabalho: Hotel Quinta das Lágrimas, Coimbra
Percurso: Fortaleza do Guincho, Arcadas, Belcanto, Feitoria, Atrio, Lasarte


Se não fosses cozinheiro o que terias sido?

Teria ficado ligado ao desporto por ser uma área que sempre me despertou interesse e alegria.

Qual a personalidade do mundo da gastronomia que mais admiras e porquê?

O chefe João Rodrigues pela forma como marcou a minha carreira, pela forma de estar e de trabalhar. É um exemplo.

Qual o prato de que gostarias de ter sido autor e porquê?

Das azeitonas explosivas do Ferran Adrià, pela importância que teve no momento, pela forma como quebrou barreiras e modificou a cozinha a nível de técnicas, conceitos e criatividade. Consequentemente essa revolução está presente em quase todas as cozinhas logo fazer parte disso seria brutal

O que esperas da final do Chefe Cozinheiro do Ano?

Dado que vivemos tempos diferentes, e estando no meio de uma pandemia e com os restaurantes fechados, vai ser difícil estarmos no nosso melhor. Mas temos que agradecer à organização e a todos os concorrentes, pelo esforço de fazer este evento e passar um sinal de força e de que as coisas devem continuar com outra responsabilidade.